Depoimento Cirurgia Bariátrica: “110 quilos, esse foi o número que eu vi na balança quando me assustei”

Olá amigos da Minha Nutri, hoje iremos publicar um depoimento que recebemos de uma leitora, a Tamis Doria do Blog Trajeto Aleatório (segue aqui o insta: @bariatricandotamis). Ela nos contou como foi ter feito uma cirurgia bariátrica e a importância de uma reeducação alimentar para melhorar a saúde e qualidade de vida.

Boa leitura a todos! O depoimento está na íntegra.

“Quando eu decidi fazer a cirurgia bariátrica, eu não estava em crise com o meu corpo, não me sentia inferior a ninguém, era modelo plus size de passarela e fotográfica. Mas eu não estava mais tão feliz assim. Quando me olhava no espelho, não chegava a detestar o que via, mas eu não estava mais me amando, afinal de contas todo mundo tem problemas com o próprio corpo. E eu tinha vários.

Sempre fui a favor do amor próprio, de amar o seu corpo, mas as pessoas confundem se amar com se conformar, não adianta ter um corpo que não gosta e dizer “Ah, deixa assim mesmo, tá bom, não tem como mudar”.

Sou a favor de se amar do jeito que acha mais bonito, se você pesa 180 kg e se acha a pessoa mais linda do mundo, qual o problema? Se você não gosta daquela barriguinha extra, qual o problema de entrar na academia e fazer 500 abdominais pra tirar?

Temos que ir em busca nosso amor próprio, nos moldar para o nosso próprio padrão e não o padrão que a sociedade diz que é bom.

O maior problema estava estava na minha saúde, a partir do momento que a minha saúde estava sendo afetada a história mudou, pensei “Ôh, espera aí, já chega, sou uma bomba relógio e posso morrer a qualquer momento!” A minha pressão arterial estava chegando em 18/9 (gritos!) e o histórico da minha família nunca foi favorável: Infarto, diabetes, derrame, insuficiência renal, enfim… Me assustou.

Antes e Depois da Tamis:

A minha mãe fez a bariátrica há 6 anos e estava um tanto relutante por conta das coisas que ela passou quando ela fez, a cirurgia era um pouco mais complicada, mas ela viu que seria o melhor para mim. Mas eu pensei “Pow, vou sucumbir a uma cirurgia para me deixar com padrões impostos por essa sociedade preconceituosa? Só para me encaixar em na maioria?”. Mas eu não estava pensando no que eu queria, eu queria emagrecer? Sim! Queria sim! Não para as pessoas me verem magra, mas eu queria entrar naquela calça amarela que eu tinha quando mais nova e que não cabia mais no meu joelho. E ainda melhoraria a minha saúde, pois a pressão estava alta por conta da quantidade de gordura. Então porque não fazer? Decidi!

Para fazer a cirurgia, eu precisei ser indicada por médicos, quem me indicou foi o cardiologista quando viu minha pressão arterial, disse que seria a melhor opção. Em seguida, fui direto para o cirurgião para conversar sobre a cirurgia . Ele me encaminhou para uma bateria de exames e diversos outros médicos, endocrinologista, psicólogo (acredite, é muito preciso!) e nutricionista. A cirurgia só estaria liberada para mim se todos esses médicos fizessem um relatório dizendo que eu estava apta a fazer a bariátrica. Não tive problemas com isso pois eles viram que eu estava decidida e seria bom para mim.

Em pouco tempo, o que foi sorte, pois tem gente que passa um ano para ter a liberação, demorei no máximo 4 meses, o que mais demorou foi a liberação do plano de saúde. Então, fiz a cirurgia. Meu método foi o Bypass, que cria um desvio do estômago direto para o intestino. Tenho só 6 pontinhos de cicatriz na barriga.

No hospital, fiz dois dias de fisioterapia para não sentir dores e liberar os gases que são colocados durante a cirurgia (se prepare para soltar muitos ‘punzinhos’ se for fazer a cirurgia haha) e foi uma salvação pois realmente me livrou das dores, não senti mais nada depois disso. Aliás, a únicas dores que senti foi assim que acordei da anestesia, parecia que eu estava sendo cortada por dentro, mas minha mãe não sentiu essa dor, então vai e cada pessoa.

No meu pós cirúrgico, apesar de não sentir dores, eu estava perdendo muitos nutrientes porque além de não poder comer e não conseguir ingerir os líquidos, eu estava menstruada, então fiquei muito fraca e tive alguns desmaios, assim que a menstruação suspendeu, os desmaios também foram embora.

A dieta é muito limitada, os primeiros 15 dias, só é permitido líquidos em copinhos de café, mas isso já parece muito pois eu não conseguia colocar nem isso pra dentro. Os próximos 15 dias são de líquido mais encorpado: Sopa batida no liquidificador, gelatina, mingau e coisas assim.

Em seguida vem a dieta pastosa, que já passa pra macaxeira amassada, purê, arroz papinha. Tudo bem molinho.

Sólido mesmo, só depois do 1º mês e meio. Mas nunca passei fome, até porque eu não sentia nem vontade de comer, não é um martírio.

O meu progresso foi e ainda está sendo ótimo, na primeira semana eu perdi 10kgs! Foi realmente rápido, minha até achou que eu estava com algum problema. Com 2 meses eu já havia eliminado 21kg.

Hoje estou com 11 meses de cirurgia e eliminei 45kg! Cheguei na meta que o médico colocou, a partir de agora eu preciso manter. Minha auto estima melhorou 110%. Voltei a fazer uma das coisas que mais amo e mais me fazer feliz, dançar! Faço Zumba duas vezes por semana. Me sinto mais bonita sim, estou mais confiante e o mais importante de tudo: Com saúde!”

Mais Fotos de Tamis Doria:

Share This:

Deixe uma resposta

Nome *
E-mail *
Site